Governo aumenta limite de cessão de risco para resseguradores eventuais

O governo federal mudou a atual legislação que versa sobre os limites de cessão de riscos das seguradoras e resseguradoras locais para resseguradoras eventuais, atuantes no mercado brasileiro via procurador com amplos poderes e residente no Brasil.

Isso se deu pelo Decreto nº 10.167, assinado pelo Presidente Jair Bolsonaro e Ministro da Economia Paulo Guedes, publicado no Diário Oficial da União no último dia 10 de Dezembro.

Desde 2008, um ano após o fim do monopólio do IRB, era permitido o repasse de até 10% dos riscos para resseguradores eventuais, uma limitação expressiva da SUSEP na intenção de fazer com que as companhias priorizassem a cessão de riscos para resseguradores locais.

Com a nova legislação em vigor, esse limite foi aumentado para 95%.

O Decreto ainda delega autonomia para a autarquia dispor sobre ramos e modalidades de seguro a serem excepcionados com percentual superior ao fixado.

A medida do governo foi bem recebida pelo mercado segurador brasileiro, já que isso amplia a elasticidade de aceitação de riscos das companhias, fomenta a concorrência entre os resseguradores, além de promover o conceito de pulverização de riscos, crucial para a manutenção da saúde financeira do setor de seguros em cenários com grandes perdas.

Tipos de resseguradores

Atualmente existem três classificações de resseguradores de acordo com a SUSEP. São elas:

  • Local: companhia juridicamente estabelecida no país sob a forma de sociedade anônima, com sede fiscal na jurisdição brasileira e autorização da SUSEP.
  • Admitido: companhia que não está juridicamente estabelecida no país, mas que participa do mercado por intermédio de escritório de representação autorizado pela SUSEP.
  • Eventual: companhia que não está juridicamente estabelecida no país e não possui escritório de representação, mas que participa do mercado através de procurador residente no Brasil com plenos poderes e autorização da SUSEP.

Para operarem no Brasil, os resseguradores admitidos e eventuais precisam ter atuação comprovada no mercado internacional há mais de cinco anos, atender requisitos mínimos de solvência, possuir rating de crédito por agência de risco de reputação internacional e não estarem sediados em países considerados “paraísos fiscais”.

Um comentário em “Governo aumenta limite de cessão de risco para resseguradores eventuais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s