Tragédia em Brumadinho: o ocorrido para o mercado segurador

Na tarde do dia 25, uma barragem da mina Córrego do Feijão, de propriedade da mineradora Vale do Rio Doce, localizada em Brumadinho (MG), se rompeu.

A avalanche de rejeitos de minérios de ferro que estavam até então contingenciados atingiu as instalações da área administrativa da empresa e a comunidade da Vila Ferteco, próxima ao local, deixando mortos, feridos e desaparecidos.

A barragem que rompeu foi construída em 1976 e tinha um volume de 12,7 milhões de m³.

De acordo com a apuração feita pelo Estadão, a Vale possui uma apólice de seguro property com o risco distribuído entre as companhias Chubb, Mapfre e Swiss Re. A corretora de seguros detentora da apólice é a Aon e o resseguro está com o IRB Brasil Re.

Na parte de seguros de pessoas, a Bradesco Seguros detém a apólice de vida em grupo, que indenizará as famílias das vítimas em dobro, pelo fato das mortes terem sido acidentais.

O foco da discussão no mercado segurador deve ser a apólice de responsabilidade civil, que está nas mãos da Allianz e com resseguro fornecido pelo grupo por intermédio da ACGS. A corretagem dessa apólice é da Willis.

Muito provavelmente os valores de cobertura contratados nessa apólice devem ser insuficientes, em razão da extensão dos danos e das iminentes e inevitáveis ações judiciais coletivas contra a Vale, o que irá culminar no aumento da responsabilização da companhia.

Devemos, ainda, acompanhar com atenção como o mercado segurador vai reagir futuramente em termos operacionais com os grandes riscos que venham a ser propostos a ele.

Tudo indica que o porte, os altos valores das indenizações e a repercussão dos sinistros de Brumadinho, bem como sua ocorrência em um curto espaço de tempo em relação ao de Mariana, devem abalar significativamente o apetite da totalidade do mercado por riscos ligados, direta ou indiretamente, à atividade de mineração.

O evento foi também um estopim para um debate na comunidade de engenharia sobre a efetividade das vistorias técnicas realizadas para atestar a segurança de barragens.

O resultado disso pode ser o surgimento de novas metodologias e maior rigidez e criteriosidade nesses procedimentos, o que vai influenciar no modo como o mercado enxerga e analisa esses riscos, já que a atividade vistoriadora é parte integrante do cotidiano operacional das seguradoras.

Vale mencionar também os possíveis impactos na esfera do seguro D&O, que protege o patrimônio pessoal de diretores e executivos em caso de demandas judiciais oriundas de atos exercidos em posições de gestão, já que há uma possibilidade considerável para a responsabilização de pessoas-chave da companhia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s